Blog

O treinamento físico estruturado e a recomendação de atividade física no diabetes

Physical Activity Advice Only or Structured Exercise Training and Association with HbA1c levels in type 2 diabetes: a systematic review and meta-analysis

Umpierre D, Ribeiro PAB, Kramer CK, Leitão CB, Zucatti AT, Azevedo MJ, Gross JL, Ribeiro JP, Schaan BD. (2011). JAMA, 305: 1790-9.

O que se sabe a respeito até o momento?

Exercícios aeróbicos, musculação, ou treinamento combinado  (também chamado de concorrente) reduzem os níveis de glicemia (açucares) em pacientes com diabetes tipo 2.

Por que os pesquisadores fizeram esse estudo?

Havia muitas evidências de que o treinamento combinado (exercícios aeróbicos e de força na mesma sessão) seria o programa mais eficaz no controle da glicemia em pessoas com diabetes tipo 2. Porém, em 2010, o estudo mais forte disponível sobre o tema, publicado no JAMA (Church et al., 2010), levantou dúvidas sobre a eficácia não só do treinamento combinado, mas também do treinamento aeróbico e de força (separadamente).

Além disso, intervenções com recomendação de atividade física (abordagens mais abertas) não tinham sido avaliadas de forma abrangente.

Quem foi estudado?

O estudo é uma revisão de ensaios clínicos randomizados em diabetes tipo 2. Foram analisados estudos com pacientes diabéticos tipo 2 e com pelo menos uma intervenção exercício, podendo ser o treinamento físico estruturado (aeróbico, força ou combinado), ou recomendação de atividade física (SEM supervisão), comparados a grupo controle.

Como foi feito o estudo?

Várias bases de dados foram usadas para busca dos artigos. A avaliação e análise dos dados foi sistemática e com critérios pré-definidos. No tratamento estatístico dos dados, foi utilizada metanálise e metarregressão, as quais permitam uma análise combinada de todos os resultados dos artigos incluídos na revisão.

Quais foram os achados?

Diferentes tipos de treinamento físico estruturado se associaram com redução nos níveis de hemoglobina glicada, com um efeito clínico muito relevante, similar ao efeito de adicionar medicamentos (efeito absoluto de -0.67%). Programas com mais do que 150 minutos por semana demonstraram maiores benefícios, indicando a importância do volume de exercício.

A recomendação de atividade física não se associou com redução da hemoglobina glicada. Tal benefício só ocorreu quando o aconselhamento de dieta foi adicionado às estratégias de atividade física.

Quais as limitações do estudo?

A maioria dos artigos incluídos não possui critérios de qualidade adequados para ensaios clínicos randomizados, o que limita a força de evidência nas intervenções analisadas.

Quais as implicações do estudo?

A revisão sumariza 2 tipos de intervenção de exercício para pacientes com diabetes tipo 2.  Programas de exercício aeróbico, de força, ou estratégias combinadas, mostraram eficácia para o controle glicêmico. Porém, a recomendação de atividade física, usualmente utilizada em consultas médicas, só se associa com benefício nos níveis de glicemia, quando uma intervenção dietética é aplicada de forma conjunta.

Para acessar o estudo original, clique aqui.