Blog

Exercício melhora a glicemia em pessoas com diabetes mellitus tipo 1?

Does Exercise Improve Glycaemic Control in Type 1 Diabetes? A Systematic Review and Meta-Analysis

Kennedy A, et al. PLoS One 2013, 8(3): e58861.

O que se sabe a respeito até o momento?

O exercício físico é recomendado no tratamento de pacientes com diabetes tipo 1 e 2. Recomenda-se um tempo mínimo de 150 minutos de exercício aeróbico em intensidade moderada, pelo menos 3 dias por semana. Pacientes com diabetes tipo 2 sem contraindicações também são encorajados a realizar musculação.Sabe-se que o exercício físico melhora a aptidão física, resistência à insulina, perfil lipídico e qualidade de vida em pacientes com diabetes tipo 1.

Por que os pesquisadores fizeram esse estudo?

O controle glicêmico é principal foco das recomendações de exercício físico em pacientes com diabetes, no entanto, os resultados em pacientes com diabetes tipo 1 ainda são conflitantes. Assim, o estudou buscou verificar os efeitos do exercício físico no controle glicêmico (Hemoglobina glicada – HbA1c) em pacientes com diabetes tipo 1.

Como foi feito o estudo?

Foram selecionados ensaios clínicos com treinamento físico e avaliação dos níveis glicêmicos em crianças e adultos com diabetes tipo1.

Foram incluídos estudos com treinamento supervisionado ou não supervisionado que apresentavam uma intervenção controle (sem exercício). Estudos que envolviam mais de uma intervenção (exemplo: dieta) também foram incluídos, uma vez que a intervenção fosse aplicada para todos os grupos envolvidos. Não foi estipulado intensidade do exercício ou idioma para seleção dos estudos.

Quais foram os achados?

De 3740 referências avaliadas, foram incluídos 13 estudos na metanálise, sendo nove com treinamento aeróbico, três com treinamento combinado e um sem especificação. No total de472 pacientes com diabetes tipo 1, o exercício físico não se associou com redução na HbA1c (-0,25%; IC 95% 20,59 a 0,09; p= 0,14). Quando analisadas as mudanças de HbA1c em oito estudos com crianças/adultos jovens, houve tendência para uma leve melhora no controle glicêmico (HbA1c= -0,37%; p= 0,07). Em quatro estudos com adultos, não houve redução glicêmica. O tempo de treinamento ou a idade dos pacientes não demonstraram correlação com o controle glicêmico.

Quais as limitações do estudo?

As limitações estão voltadas mais aos ensaios clínicos envolvendo exercício físico e controle glicêmico do que em especial a metodologia da revisão aqui comentada. Os critérios de elegibilidade foram bastante flexíveis. No entanto, a literatura em diabetes tipo 1 e treinamento não é vasta, e apenas 13 estudos foram incluídos. Fatores como randomização dos grupos, cegamento de examinadores, e adesão dos pacientes às intervenções muitas vezes não foram relatados. A ingestão de carboidrato para prevenir hipoglicemia durante ou após o exercício e a falta de controle da dieta na maioria dos estudos são importantes fatores de confusão. Também seria interessante ter o registro do ajuste da insulina nos trabalhos selecionados, pois isso é inerente ao diabete tipo 1 e influencia bastante os estudos.

Quais as implicações do estudo?

Até o momento não podemos afirmar que o treinamento físico proporciona benefícios no controle glicêmico de pacientes com diabetes tipo 1. No entanto, isso não enfraquece a recomendação da prática regular de exercício físico para pacientes com diabetes tipo 1, pois outros consistentes benefícios podem ser observados, entre eles, a redução do risco de mortalidade com o aumento do nível de atividade física diária.

Para acessar o estudo original, clique aqui.