Exercício Físico em jejum, dieta hipercalórica e metabolismo da glicose

Exercício Físico em jejum, dieta hipercalórica e metabolismo da glicose

Exercício Físico em jejum, dieta hipercalórica e metabolismo da glicose.

Van Proeyen K et.al.  Journal of Physiology. 588-21. p. 4289- 4302, 2010.

Qual o problema e o que se sabe a respeito até o momento?

O sedentarismo e as dietas ricas em carboidratos e gorduras trans contribuem para a incidência crescente de obesidade e diabetes tipo 2 (DM2). Por outro lado, exercício físico e alimentação adequada melhoram a sensibilidade à insulina e podem reduzir doenças metabólicas.

Por que os pesquisadores fizeram esse estudo?

Quantidade limitada de carboidratos, por exemplo, em estado de jejum, pode aumentar o transporte e oxidação dos ácidos graxos durante o exercício. Ainda, a ingestão de carboidratos antes e durante o exercício inibe a degradação dos triglicerídeos.

Assim, os pesquisadores testaram os efeitos do treinamento físico em jejum, comparado com uma ampla ingestão de carboidratos antes e durante o esforço.

Quem foi estudado?

Foram avaliados 28 homens, com idade de 21±0,3 anos, fisicamente ativos.

Como foi feito o estudo?

Os participantes foram randomizados em 3 grupos: Grupo Jejum (n=10 indivíduos), Grupo Alimentação pré-Exercício (n=10) e Grupo Controle (n=7).

Antes de iniciar a intervenção, todos os sujeitos foram submetidos a um programa de dieta hipercalórica e rica em gordura (50% gordura, 40% carboidratos e 10% proteínas).
O Grupo Jejum realizou todas as sessões de treinamento sem alimentação prévia, e o Grupo Alimentação pré-Exercício recebeu um café da manhã composto por 70% carboidratos, 15% gordura e 15% proteína; 90 min antes do treino. Durante o treino, o grupo Alimentação pré-Exercício recebeu maltodextrina (1g por kg de peso corporal). A mesma quantidade por kg de peso corporal foi fornecida ao grupo Jejum após o treino. O grupo controle manteve suas atividades de rotina (sem treinamento). Os três grupos experimentais receberam alimentação hipercalórica, rica em gorduras.

 

As sessões de treinamento físico consistiam de exercício aeróbico 4 vezes/semana, durante 6 semanas. Foram realizadas 2 sessões na bicicleta por 60min (75% da FCmax) e 2 sessões na esteira por 90min (85% da FCmax).

Quais foram os achados?

1) O treinamento aumentou a resistência aeróbica (~15%) nos dois grupos Jejum e Alimentação pré-Exercício.  O VO2max aumentou apenas no Grupo Alimentação pré-Exercício (4,2 ml.min-1 kg-1);

2) A sensibilidade à insulina e o transportador de glicose GLUT4 aumentaram no Grupo Jejum em relação ao grupo controle. A AMPK, que estimula a síntese de GLUT4, aumentou apenas no Grupo Jejum;

3) A expressão de transportadores de ácidos graxos no citosol e mitocôndria (FAT/CD36 e CPT1, respectivamente) foi aumentada em ~30% apenas no Grupo Jejum. A enzima citrato sintase (relacionada à capacidade oxidativa muscular) aumentou de forma semelhante ~15% nos grupos que treinaram;

4) O peso corporal do Grupo Controle aumentou ~3kg (0,4 a 5,7kg),  o Grupo Alimentação pré-Exercício aumentou ~1,5kg (-0,2 a 2,6kg) ∼1.5 kg, e não foi alterado no Grupo Jejum.

Quais as limitações do estudo?

O estudo é de curta duração, limitando a extrapolação dos resultados em treinamento mais duradouro. Ainda, os participantes eram jovens, o que indica a necessidade de testar as estratégias em outras populações com menor controle glicêmico ou com risco de hipoglicemia.

Quais as implicações do estudo?

Baseado no presente estudo, o exercício aeróbio contínuo realizado em jejum, pode ser uma estratégia de curta duração (menos de dois meses), contribuindo para otimizar a oxidação de gorduras e carboidratos.

Licenciado pleno em Educação Física - Faculdade Salesiana de Vitória (2005). Pós Graduado em Fisiologia e Cinesiologia do Exercício e Saúde - Universidade Gama Filho (2008). Mestrado em Educação Física vinculado à linha de pesquisa: Aspectos fisiológicos agudos e crônicos do movimento corporal humano. LAFEX - Laboratório de Fisiologia do Exercício - UFES - Universidade Federal do Espírito Santo (2016). Professor de Educação Física estatutário atuando em Unidades de Saúde no município de Serra - ES. Área de interesse: Treinamento intervalado de alta intensidade, Treinamento aeróbio contínuo, Consumo máximo de oxigênio, Doenças cardiometabólicas, Limares metabólicos e ventilatórios, Bioenergética.